quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Velhas Tristezas de Cruz e Souza

Bom pessoal ai vai a poesia Velhas Tristezas de Cruz e Souza,
espero que gostem.

Velhas Tristezas


Diluências de luz, velhas tristezas
das almas que morreram para a luta!
Sois as sombras amadas de belezas
hoje mais frias do que a pedra bruta.

Murmúrios ncógnitos de gruta
onde o Mar canta os salmos e as rudezas
de obscuras religiões - voz impoluta
de todas as titânicas grandezas.

Passai, lembrando as sensações antigas,
paixões que foram já dóceis amigas,
na luz de eternos sóis glorificadas.

Alegrias de há tempos! E hoje e agora,
velhas tristezas que se vão embora
no poente da Saudade amortalhadas!.

Analise:

Este poema é um soneto que trás a musicalidade que é uma característica simbolista, vemos também o emprego das rimas.Cruz e Souza demonstra na maioria das suas poesias um gosto muito forte pela cor branca e não deixa de mostra nesse soneto vejamos "na luz de eternos sóis glorificadas".
No vocabulário Cruz e Souza trabalha palavras e expressões que levanta sugestões místicas almas", "sombras", "religiões","eternos".Podemos notar também que o autor foge da realidade e vai ao mundo espiritual e para termina o autor emprega no soneto figura de linguagem a prosopopéia que é mostrado em vários versos"Murmúrios incógnitos de gruta" "onde o Mar canta os salmos e as rudezas".



Bom pessoal ai foi a poesia espero que gostem.
Postado por : Alisson Nepomuceno




Nenhum comentário:

Postar um comentário